A polêmica da nova era do fumo


A invasão dos cigarros eletrônicos reacende a discussão de como lidar com o tabagismo, sobretudo entre os mais jovens. O cigarro eletrônico não solta fumaça fétida, não causa mau hálito e nem espalha bitucas. A primeira vista os cigarros eletrônicos, também chamados de vaporizadores, são o sonho de consumo de muitos fumantes, diferentemente da versão de papel que queima por combustão. O dispositivo contém um líquido que ao ser aquecido, gera vapor aspirado e exalado pelo usuário. A comunidade médica enxerga com preocupação a popularização deste novo jeito de fumar.

O cigarro eletrônico, no lugar da combustão do cigarro comum, o princípio é a vaporização. A dosagem da nicotina varia de acordo com o fabricante. A mais baixa equivale a seis cigarros comuns e a mais alta a dezoito. Há também versões aromatizadas. O tabaco aquecido que é outra forma também de se fumar, funciona por vaporização, mas invés de aquecer a nicotina liquida, esquenta lâminas de tabaco. O cigarro artesanal tem vários tipos, boa parte deles compostos de 70% de tabaco e 30% de cravo. O popular cigarro de palha, por sua vez, tem de cinco a sete vezes mais nicotina e alcatrão que os demais cigarros inaláveis e mascáveis. Rapé, tabaco inalável, sinos e fumo para mascar são exemplos dos produtos de tabaco sem fumaça. Ao invés de fumar o usuário aspira, masca ou suga o tabaco. Todos podem ocasionar lesões na boca e garganta. O narguilé é outro tipo também, de berço oriental, e hoje popular no Brasill. O aparato também se vale da vaporização. De uso coletivo o cachimbo da água não deixa de oferecer riscos. Uma sessão de 20 a 30 minutos corresponde a fumar 100 cigarros. No Brasil, país considerado referência mundial no combate ao tabagismo, o índice de fumantes é de 9,3% da população há 30 anos.

Na realidade não existe cigarro que possa prejudicar menos a saúde. A tendência dos jovens é buscar sensações diferentes, buscando também nesse prazer destrutivo que é o habito de fumar.

Nós da Action Laser estamos há 28 anos acompanhando a trajetória dos fumantes de todas as idades, portanto estamos atuamos com uma Técnica Canadense Indolor, 100% natural de laseracupuntura. Através do laser de baixa potência e pontos específicos de acupuntura, bloqueamos a compulsão física pelo cigarro. E para trabalhar a dependência emocional que é o hábito e o condicionamento, utilizamos recursos com técnicas de hipnose, neurolinguística e psicologia positiva. Proporcionamos também um acompanhamento de 90 dias, a disposição do cliente para trabalhar a falta da droga no organismo, que é a síndrome de abstinência, para que ele pare de fumar com conforto. Em consequência deste acompanhamento, livre, nosso índice de sucesso é de 80%, pagando uma taxa única a vista ou parcelado em 1, 2 ou 3 vezes. Fale com os profissionais da Action Laser através do whatsapp (41) 99917-8990} ou pelo telefone fixo (41) 3232-4982 email: curitiba@actionlaser.com.br www.facebook.com/ActionLaserCTBA

Posts em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square