Cigarro Eletrônico e tradicional tem em comum os riscos da nicotina


O consumo de nicotina do cigarro eletrônico é igual ou até maior que o cigarro comum, aumentando riscos de dependência química e problemas respiratórios. Proibido no Brasil desde 2009, o cigarro eletrônico ainda é apresentado por fabricantes como uma alternativa saudável ao cigarro comum e procurado principalmente por quem quer parar de fumar, mas também por jovens que fazem dele a porta de entrada para o tabagismo. Cigarro comum Funcionamento: Por combustão. Ao ser acendido, o fogo queima as substâncias do cigarro em um processo físico. A fumaça é inalada pelo fumante e os elementos do cigarro caem na corrente sanguínea.

O que tem nele: Principal substância é a nicotina, monóxido de carbono e alcatrão. Um composto de mais de 4720 substâncias tóxicas. Como faz mal: Muitas dessas substâncias são cancerígenas. A nicotina é a substância responsável por causar dependência e boa parte do monóxido de carbono fica no corpo dificultando o transporte do oxigênio no sangue. Cigarro eletrônico Funcionamento: Por vaporização. O líquido no reservatório do cigarro é aquecido por uma pequena resistência e evapora rapidamente. A fumaça é inalada pelo fumante e as substâncias químicas caem na corrente sanguínea. O que tem nele: Mistura líquida feita com álcool, água, glicerina, nicotina e aromas. Usa bateria para aquecer o líquido. Como faz mal: A nicotina é um estimulante e uma droga que induz a dependência química. Além de doenças e irritações respiratórias pela inalação do vapor, a nicotina pode levar a crises de abstinência e doenças cardiovasculares.

A principal diferença entre os dois cigarros está no modo de funcionamento que também determina as substâncias que acabam absorvidas pelo fumante. O cigarro comum funciona na combustão. Quando ocorre a queima do cigarro ele solta substâncias que são inaladas pela fumaça e absorvidas pelo organismo do fumante e das pessoas próximas a ele. Entre as milhares de substâncias do cigarro, as três mais prejudiciais são a nicotina que causa dependência, o alcatrão ( como é uma mistura de 4 mil compostos químicos, muitos deles cancerígenos) e o monóxido de carbono que é o gás emitido na química do cigarro (ele elimina a capacidade das células vermelhas do sangue de transportar o oxigênio). O cigarro eletrônico é o novo cigarro do século XXI. A pessoa vai continuar fumando, só que de outra forma. Está muito longe de ser seguro. Tanto o cigarro comum quanto o eletrônico induzem o fumante a dependência química por causa da nicotina, mas é uma ilusão achar que o vício será menor que o do cigarro eletrônico. Se você é fumante, seja de qualquer uma das modalidades de cigarro, fale com a Action Laser unidade de Curitiba que atua há 28 anos com uma técnica canadense 100% natural e indolor de laser acupuntura. Esta técnica é a junção da tecnologia de ponta do laser associada a medicina tradicional chinesa bloqueando a compulsão pelo cigarro, equilibrando seu emocional e proporcionando relaxamento e bem-estar e para trabalhar a dependência emocional, utilizamos durante a aplicação recursos de hipnose e neurolinguística e exercícios respiratório. Fale com os profissionais da Action Laser através do whatsapp (41) 99917-8990} ou pelo telefone fixo (41) 3232-4982 email: curitiba@actionlaser.com.br www.facebook.com/ActionLaserCTBA

Posts em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square